Comunidade de Designers Instrucionais

Compartilhe suas experiências, converse com outros designers instrucionais e peça ajuda!

Página InicialComunidadesPrimeiros Passos em Design InstrucionalTAREFA FINAL: O QUE É ATITUDE COLABORATIVA

  • TAREFA FINAL: O QUE É ATITUDE COLABORATIVA

    postado por Germana Duarte sobre 10/05/2022 em 20:32

    O QUE É ATITUDE COLABORATIVA

    Colaborar quer dizer “trabalhar com uma ou mais pessoas contribuindo para a realização de algo.” Para colaborar, ou seja, para trabalhar em conjunto com outras pessoas, precisamos nos engajar com a tarefa ou com o objetivo final, e nos conectar com os colegas.
    No futebol, quando temos um alto nível de engajamento, temos um time bem entrosado.

    A espécie humana é colaborativa por natureza. As primeiras habilidades que desenvolvemos são aquelas que vão nos ajudar a conectar socialmente, porque nascemos totalmente dependentes de outras pessoas para sobreviver. Precisamos da colaboração delas para conseguir passar pelos primeiros anos de vida.
    A evolução da nossa espécie vem da capacidade de gerar soluções a partir da colaboração com outros e resolver os problemas que apareciam.

    Como no futebol, as organizações são grupos de pessoas que se juntam para trabalhar por um propósito comum. E, na maioria delas, o trabalho é feito por times (ou setores). É nos times que a produção realmente acontece, é ali que as ideias surgem e são testadas, e é onde as pessoas mais vivenciam o trabalho. Podemos entender, então, que o engajamento e a conexão entre os membros de um time vão refletir diretamente nos seus resultados.

    Por isso, muitos pesquisadores investem energia estudando os comportamentos nos grupos organizacionais, para entender como melhorar o trabalho ali. Esse é o caso de William Kahn, famoso pesquisador no campo do “Engajamento com o Trabalho”.

    Kahn descreve, em um de seus estudos sobre o tema, em 1990, que quando estão engajadas as pessoas se envolvem física, cognitiva e empaticamente com seus colegas, e nesse estado elas demonstram o que pensam e sentem, compartilham sua criatividade e suas crenças e valores enquanto se conectam com ou outros. Ao contrário, quando as pessoas não conseguem se engajar ou se conectar com seus colegas de forma satisfatória, elas acabam “escondendo” seus verdadeiros pensamentos e sentimentos. Acabam atuando de forma artificial, se guiando pelo que acha que os outros esperam, como se seguissem um script ou roteiro.

    O engajamento pessoal com um objetivo surge quando um indivíduo apresenta significância psicológica, segurança psicológica e disponibilidade psicológica. Traduzindo, é quando um indivíduo sente que é levado a sério e é útil para seu grupo; sente segurança em expressar suas ideias autenticamente sem medo de que algo que disser possa pegar mal; e tem a energia física e mental para fazer contribuições relevantes.

    ATITUDE COLABORATIVA E EMPATIA
    William Kahn, grande pesquisador do comportamento organizacional, em seu mais famoso estudo sobre engajamento no trabalho, observou que a empatia era um comportamento que aumentava muito o engajamento das pessoas com o trabalho. Quando as pessoas interagiam com colegas e clientes durante suas tarefas e, com isso, conseguiam bons resultados, elas se sentiam reconhecidas, apreciadas e valorizadas, e isso aumentava o seu propósito com o trabalho e seu engajamento. Essa apreciação e respeito mútuos gerava ainda mais conexão, aproximando a vida pessoal e profissional das pessoas. Valorizar a contribuição do outro, através de feedbacks construtivos e do diálogo aberto e não violento reforça a colaboração entre o time.

    Ele descreve também que as relações interpessoais baseadas em apoio e confiança entre os membros geram uma flexibilidade que as pessoas perdem o medo de falhar. Elas se sentem confiantes que ninguém no time vai envergonhar ou punir o outro por admitir um erro, fazer uma pergunta ou dar alguma nova ideia, mesmo que esta seja diferente.

    Não é uma questão de ser permissivo ou não ter responsabilidade pelos erros, é apenas uma questão de entender que os erros fazem parte do aprendizado e através deles podemos crescer. Se temos a liberdade de tomar decisões e algumas delas falharem, mais importante do que achar os culpados pelo erro é entender o que gerou o erro, corrigi-lo e aprender com aquilo.

    Pessoas que vivem em ambientes inseguros têm menos energia emocional, cognitiva e física para se engajar em tarefas e objetivos. A preocupação com os riscos faz com que elas invistam suas energias medindo palavras, procurando atender o que as pessoas esperam delas e escondendo o que elas realmente pensam, sentem, seus valores, suas crenças e sua criatividade.

    Quando as pessoas sentem que têm valor no seu grupo elas estão mais aptas a dar e receber dos outros e do trabalho em si. Estão mais aptas a colaborar.

    Germana Duarte respondeu 1 ano, 11 meses atrás 1 Membro · 0 Respostas
  • 0 Respostas

Desculpe, não foram encontradas respostas.

Entre para responder.